sexta-feira, 13 de abril de 2012

Benfica, um conto noir

Estava deitado no meu escritório de ressaca. Doía-me a cabeça e o corpo e o meu hálito ainda fedia a whisky. Ultimamente, com a falta de casos, andava a sair mais à noite para esquecer a crise: ser detective privado em tempos de austeridade não compensa. Foi aí que o telefone tocou (eu já não tinha casos há tanto tempo que nem me lembrava do toque do telefone). Quando atendi, a voz do outro lado soava preocupada.
"Detective M.?" 
"Sim."
"Daqui é um adepto do Benfica. Vou precisar da sua ajuda."
"Farei o que puder."
"O Benfica desapareceu."

Ah, o Benfica. Acendi um cigarro e lembrei-me de 2009/2010, a última vez que beberamos um copo. Foi numa noite de chuva, na Luz, e acabámos a noite a dar um bom pontapé nos tomates do Porto. Foi uma boa noite, porque já não nos encontrávamos há uns bons anos. Tínhamos sido amigos desde sempre. Mas em 1995 o Benfica meteu-se com gente esquisita. Um tal de Artur Jorge, com a mania que era poeta, acabou por separá-lo de mim. De vez em quando telefonávamo-nos, mas desde aí senti que o Benfica tinha mudado. Um gajo não admite, mas sempre tive saudades dele e em 2009/2010 o reencontro foi mesmo bonito. Até fomos para os copos em Marselha. Mas os últimos dois anos foram esquisitos e o Benfica fez-me coisas que nem vos vou contar. Só que, apesar deste meu aspecto duro, sou um sentimentalão: eu tinha de aceitar o caso.

"Encontramo-nos na Luz daqui a uma hora."

Quando cheguei à Luz estava frio e chuviscava, como se Lisboa também sentisse falta do Benfica. Ao longe, cinco tipos bebiam cervejas numa roullote. Tive saudades de vir aqui com o Benfica. Acendi outro cigarro e estava a tentar não me arrepiar com recordações como Leverkusen quando o adepto me bateu no ombro.

"M.?"
"Muito prazer."
"Obrigado por ter aceite o caso."
"O que se passa? Quando foi a última vez que viu o Benfica?"
"Epá, o Benfica andava esquisito, mas animado, percebe? Um gajo via-o aí pelas ruas todo contente, como se tivesse o Mundo na mão e ninguém lhe quis dizer para ir trabalhar. O Benfica dizia que tinha tudo controlado e tal. E nós, os amigos mais chegados, acreditámos. Estávamos contentes de o ver assim, percebe? Depois de tudo o que o Benfica passou..."
"E o que é que aconteceu?"
"O Benfica foi para os copos em Guimarães e veio de lá um bocado marcado. A malta percebeu que a coisa já não ia tão bem. Depois foi a Coimbra e disse que tinha sido lá gamado e já andava a pedir guito à malta. Claro que para nós é difícil dizer que não..."
"Como assim?"
"Epá, é o Benfica."
"Mas não lhe disseram nada? Não era óbvio que as coisas andavam mal?"
"Eram, mas só quando tivemos aí uma noite má é que topámos. Estávamos todos aí na noite quando vimos o Porto a pontapear o Benfica no chão. Pontapés na cabeça, uma cena violenta, mesmo."
"Foda-se. Mas não sabem com quem é que o Benfica tem andado? Não há pistas."
"Epá, diz-se que o Benfica anda metido com um tipo da Amadora, o Jesus, não sei se já ouviste falar. Parece que o Jesus lhe prometeu trabalho e que ele ia ganhar o dobro, uma cena assim. Foi a última vez que soube do Benfica."
"Mete-te em casa, meu. O Jesus é um dos duros. Eu ligo-te quando tiver novidades."

Já tinha ouvido falar deste Jorge Jesus. Um tipo com fama de chico - esperto da Amadora. Cabelo esquisito, falar quase incompreensível. O tipo de gajo que tanto pode estar a beber um copo contigo como prestes a dar-te uma facada. Meti-me no carro e fui à Amadora.

Cheguei à Amadora e fui ter ao bar onde o Jesus costumava estar.
O ambiente era pesado. Motards da Amadora e muitos capangas. O Jesus era aquele tipo com a mania que é o rei da pista. Bebia a sua terceira Carlsberg cheio de si e a falar alto, contando histórias que pareciam inventadas sempre na primeira pessoa.  Como é que o Benfica se tinha aproximado de um tipo assim? Cheguei-me ao pé do tipo e pedi um whisky.
"Sabes, Jesus, Carlsbergs qualquer um bebe. Podias era fazer-te homem e pedir um whisky."
O cabrão olhou para mim com aquele ar de marialva, desafiador, à espera que o bar todo o apoiasse se andássemos à porrada.
"Era mesme de um tipo come tu que eu estava à espera no sorteio para me animar o dia."
"Jesus, e se te deixasses de tangas e me dissesses onde é que está o Benfica?"
"Deves ter a mania, tu... O Benfica está muito bem d`sde ca começou a trabalhar pa mim e pó patrão. O Benfica é nosso, meu. E põe-te daqui pa fora."

Quem seria o patrão? A cara e o discurso do tipo estavam-me a irritar, mas o mais importante era desmascará-lo. Resolvi enervá-lo:
"Eu saio do bar, Jota. Não me quero meter com gajos que ficaram atrás do Nacional do Manuel Machado..."

O tipo enervou-se e sacou uma faca. Atirou-se todo para a frente contra mim. Só tive de me desviar e deixá-lo cair. Enchi-o de pontapés na cabeça. Não curto gajos que se acham superiores ao Benfica. Deixei o gajo cheio de sangue e o bar não fez nada. Afinal, muita gente não curtia o gajo.
Peguei-lhe na cabeça pelo cabelo pintado e disse-lhe ao ouvido: "O teu problema, Jesus... É que treinas mais o ataque do que a defesa.". Mas não valia a pena, o anormal já não respirava.
Acendi um cigarro fora do bar e enquanto matutava sobre quem seria o famoso patrão, um tipo argentino chegou-se a mim. Um Aimar.
"Mira: el jefe de Jesus es Vieira. Se echas a Vieira, recuperas el Benfica."

Vieira. Vieira. Só o nome pôs-me mal disposto. Esse tipo tinha uma fama do pior. Havia quem dissesse que ele era sócio do Porto. Só de me lembrar disso cuspi para o chão, enojado. Como é que o Benfica, o meu Benfica, tinha acabado misturado com esta gente? Com esta corja de aldrabões, de bandidos? O Vieira era conhecido como um escroque do pior: tráfico de jogadores em camiões, eleições muito duvidosas e um crescimento à custa de mentiras e jornalistas comprados.
Lembro-me vagamente do Benfica me ter falado nele. O cabrão prometeu ao Benfica ter uma super equipa a trabalhar com ele. Só portugueses (vão ser a tua espinha dorsal!, prometeu o bandido). Prometeu-lhe tudo: casa, finanças organizadas e uma vida do caraças. Na altura disse ao Benfica que a coisa me parecia suspeita (o tipo antes era amigo do Polvo), mas o Benfica estava a recuperar de uma fase difícil e deve ter acreditado.

Eu sei que o adepto é que mo tinha pedido, mas fazia-o mais por mim e pela minha ligação ao Benfica do que pelo caso em si. Verifiquei que o revólver tinha balas e mandei mensagem ao adepto para ir ter comigo à noite, ao meu escritório. Meti-me no carro e fui direito à mansão do Vieira.
A entrada estava bem guardada: aqueles guarda costas, o Delgado e o Gomes da Silva, tinham montado um bom esquema de segurança. Mas só contra os papalvos, porque as brechas eram demasiado evidentes. Saltei o muro d`"A Bola" e entrei calmamente.
Lá dentro a coisa tornou-se mais labiríntica. Tive que me esconder enquanto passavam cá para forma uma série de estrangeiros ilegais, claramente em tráfico: Zahovic,  Pesaresi, Moretto, Marcel, Andrez Diaz e muitos outros pequenos bandidos há muito desaparecidos do submundo da Luz. Avancei por um longo corredor de revólver em punho e parei perto de uma porta entreaberta. Lá dentro, um homem conversava ao telefone: "...Está tratada a transferência para Zaragoza. Sim, sim. Depois falamos para Madrid outra vez. ... Não, não. Já te disse que este ano não. Depois do Sálvio e do Reyes dá muita cana.... Vá, um abraço, hombre"
Do Benfica nem sinal. Avancei em silêncio e encontrei a porta principal. Espreitei e lá estava o Benfica à mesa com o Vieira. Atrás dele, o emblema de 25 anos de sócio do Porto.
Entrei de repente, de pistola em punho.
"Anda, Benfica, vamos para casa."
"M.? Que é que fazes aqui?"
"Vim buscar-te. Há muita gente preocupada contigo. Larga este gajo, é um bandido, não te quer bem, só te quer usar."
O Benfica pareceu confuso, olhando para mim e para o Vieira alternadamente.
"Não sejas assim, M. Tu sabes que eu já estive pior. Lembras-te de quando eu me dava com o Vale?"
"Cala-te, caralho. E anda para casa. Nem Vales nem Vieiras. Caga neste gajo."
"Epá, M., tens de ter calma. O Sr. Vieira deu-me uma casa nova."

Peguei-lhe no braço e gritei-lhe: "Benfica: nos últimos onze anos, foste feliz? Diz-me, foste feliz? Saíste à rua, voaste pelo Marquês? Viajaste pela Europa, orgulhoso de ti? Diz-me, porra, diz-me!"

Mas, antes que o Benfica me respondesse, senti o ardor da primeira bala nas costas. Uma sensação quente e vazia ao mesmo tempo. Depois senti a segunda e a terceira bala nas costas e o sabor do sangue a vir-me à boca. Quando caí de joelhos, vi o adepto entrar, de arma na mão. Quando meus olhos começaram a ficar vermelhos, só tive tempo de o ver levar o Benfica outra vez para junto da secretária de Vieira. Tinha sido tramado e usado. Tinha matado o Jesus, mas o Benfica tinha ficado outra vez nas mãos de Vieira.

Caí desamparado, recordando aquela noite em Leverkusen, onde eu e o Benfica parecíamos unidos para sempre.


70 comentários:

  1. M., quero um livro com as tuas crónicas do Benfica. Editado.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  2. Fantastico !

    Onde anda o MEU Benfica ??!

    ResponderEliminar
  3. « os clubes fazem-se da mole humana que os acompanha, que os incentiva e que lhes cobra o que está mal »

    saudações desportivas mas sempre pentacampeãs! ;)
    Miguel | Tomo II

    ResponderEliminar
  4. Provavelmente a melhor coisa que li na Blogoesfera... Que texto brutal!!!!

    ResponderEliminar
  5. Muitos Parabéns!!! Quando a realidade ultrapassa a ficção!

    ResponderEliminar
  6. Clap, clap, clap... tiro o meu chapéu: mistério, intriga e mortes num ambiente tétrico, ao nível de Raymond Chandler.
    Parabéns e continua a deliciar-nos com a tua escrita.
    FS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    2. O Chandler é o maior! Estive para chamar ao texto "O Imenso Adeus". Obrigado :)

      Eliminar
  7. Muito bom texto!
    Cumprimentos Portistas

    ResponderEliminar
  8. O que importa é que sobreviveste para contar a história. Ainda vamos a tempo de resgatar o Benfica e de nos livrarmos desse adepto cobarde...certo?


    Arquiduque das Águias Livres

    ResponderEliminar
  9. Absoultamente cortante e delicioso. E infelizmente verdadeiro. Parabéns.

    ResponderEliminar
  10. Que texto do caralho!

    Só me apetece gritar:
    BENFICA, BENFICA, BENFICA!!!!!

    ResponderEliminar
  11. Um conto "noir" brilhante!
    Parabéns.

    ResponderEliminar
  12. ah e tal... deves te achar deves...

    fazes do benfica mais pequeno do que ele é... o benfica é dos socios e os socios são quem mais ordenam...

    quanto ao patrão que falas... tens uma solução... arranja um candidato melhor...

    nos ultimos 3anos esse patrão deu tudo e mais alguma coisa ao jesus... ele é que se enterrou sozinho... pudera, ja tem contrato assinado com outros... à 2 anos.... é um verdadeiro maos leves este... e nem com a morte encomendada te safas dele....
    fomos enganados e ludibriados por ele.. e pelo seu verdadeiro "patrão" o PdC...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. " pudera, ja tem contrato assinado com outros."

      E o patrão que deu tudo não faz nada? Deixa andar? Deixa que um treinador durante dois anos afundar a equipa? Q belo patrão...

      Eliminar
    2. Se o JJ não é capaz de fazer melhor pq é q o vieira não toma uma posição? no clube onde o vieira é socio com 25anos isso não acontece. VIERA RUA! Veiga a presidente! com ele somos campeões!

      Eliminar
  13. Moral da história: O Benfica é o maior do Mundo, não se pode comparar sequer o Benfica a equipas como: Barça, Madrid, Manchester... O Benfica pratica um futebol muito mais atractivo que o do Barça. Já sou sócio há 27 anos e não me lembro de uma equipa como o Benfica em termos de futebol jogado. Somos os melhores do Mundo em tudo! Temos a melhor equipa, o melhor treinador, o melhor presidente e até o melhor relvado (dos jogos que vejo não me vem nenhum relvado á cabeça tão bom como o do Benfica).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. és tanto do SL BENFICA como eu do Al-Ahly...há com cada um...

      Eliminar
    2. Ironia caro colega, arrogância benfiquista chega a ser embaraçosa para os próprios benfiquistas

      Eliminar
  14. Muito bom M. vou aguardar por novas notas! Entretanto vou partilhar...

    ResponderEliminar
  15. Excelente, Impossível retratar melhor a realidade!

    ResponderEliminar
  16. Excelente.
    Devia ser divulgado por todo lado.

    ResponderEliminar
  17. Belo pedaço de ficção, caro autor. No entanto é estranho, Vieira nada diz! ... nem uma leve onomatopaica?

    ResponderEliminar
  18. É daqueles relatos que faz estremecer qualquer benfiquista. E deveria fazer estremecer, também, o universo benfiquista. Somos grandes, ENORMES, mas temos estado actualmente muito aquém do Benfica de sempre. No fundo, do Benfica que aprendemos a amar.

    Este texto não só está tremendamente bem escrito e estruturado, como também tem o condão de trazer a terreiro a verdade.

    Os meus sinceros parabéns!

    Saudações benfiquistas

    ResponderEliminar
  19. Texto genialmente escrito.
    Como Sportinguistas tenho que dar os parabéns não pela mensagem que o texto transmite mas pela fantástica forma como está escrito.

    Muito bem.

    Saudações desportivas

    ResponderEliminar
  20. Fabuloso! Parabéns! Chandler ou Spillane?
    ... mesmo não concordando com a malvadez de lfv ... mas os adeptos são mesmo assim!

    Saudações Gloriosas

    Força Benfica

    ResponderEliminar
  21. Fui só eu que o detective M. fez-me recordar uma espécie de Rorschach (personagem do Watchmen) com o Lucky Luck?

    Texto fantástico! Os meus mais sinceros parabéns ao autor.

    No final apenas acho que ficaria bem uma nota em rodapé do género:

    "Qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência" ;D

    ResponderEliminar
  22. Isto podia ser perfeitamente um livro, está excelente !
    O que entristece é que tem muita verdade no meio da ficção...

    ResponderEliminar
  23. Genial, eu não gosto de futebol mas este texto está fantástico! Parabéns

    ResponderEliminar
  24. De facto, do melhor que tenho lido por essa blogosfera fora, e não só. Os meus parabéns pelo texto: simplesmente brutal.

    ResponderEliminar
  25. Incrível, dos poucos textos que prenderam á atenção no mundo da blogoesfera. Continua, uma crónica verdadeiramente espetacular!

    ResponderEliminar
  26. Fantástico texto!! Pena ser tudo tão real

    ResponderEliminar
  27. Hoje se há benfica deve-se ao vieira.

    ResponderEliminar
  28. Muito bem esgalhado.
    Há muita ficção misturada com algumas verdades.
    Penso que o Benfica está também refém de mafiosos e corruptos, tais como certos Gerentes de Caixas, apafes, observadores e mamões.

    ResponderEliminar
  29. Isto é do melhor que há.Parabéns pela imaginação.

    ResponderEliminar
  30. Obrigado ! diverti-me imenso a ler este lexto .
    Muito bem elaborado ! parabens !!!

    ResponderEliminar
  31. Deixo os elogios ao texto para a catrefada de gente que veio aqui comentar.

    Fico feliz de ser teu amigo e é só.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu fico feliz de poder ler o M. há anos, apesar de só me ter cruzado com ele 2 ou 3 vezes... e é só! :)
      Ricardo, deixei de conseguir comentar no teu blog :P
      Abraços a estes 2 grandes benfiquistas! MT

      Eliminar
  32. parece o calvin a fazer de detective lol o adepto é a suzie o benfica e o hobbes ahah

    ResponderEliminar
  33. Dou-lhe os meus mais sinceros parabéns.
    O texto está fabuloso. E olhe que sei do que estou a falar.
    Há ritmo, fluidez, a dose certa de mistério, humor e mordacidade... enfim, tudo aquilo que faz uma obra fantástica.
    Por isso, os meus parabéns.

    Contudo, não estou de acordo consigo no que diz respeito ao que assume como certo. Sempre fui crítico relativamente ao JJ mas, globalmente, tem feito um bom trabalho - mau grado aquele ar de Rod Stewart da Musgueira e uma série de calinadas na lusa língua. Repare no seguinte:
    a) Aimar dá uma patada num adversário, num lance em que nada o justificava; a culpa é de JJ?
    b) Luisão já tem amarelo no jogo com o Sporting, por um penalty tão infantil quanto indiscutível, e entra à margem das leis às pernas de um adversário numa jogada a meio campo: a culpa é do JJ?
    c) A equipa está a jogar bom futebol, domina o jogo - embora falhe na concretização... - e, depois de sofrer um golo, imerecido, baixa os braços: a culpa é do JJ?
    d) A equipa joga em Olhão, a passo, para os lados e para trás, com o treinador à beira de um ataque de nervos: a culpa é do JJ?
    Poderia estar aqui a desfiar imenos exemplos, mas não vale a pena...
    Na minha opinião, numa coisa tem razão: a culpa é do adepto. Do adepto que se delicia a ver os nossos "maradonas" a tratar a bola com arte mas sem objectividade, com (algum) virtuosismo mas sem muito suor, a evoluir bem com a bola mas a não meter o pé com medo de prejudicar a transferência para Manchester... enfim, do adepto que (ao contrário de JJ!) se conformou com a medicoridade e a falta de carácter e entrega de alguns dos nossos, responsabilizando apenas as más arbitragens e as invenções de JJ pelos fracassos da equipa.

    Mas, apesar de tudo, valeu a pena ler o seu texto. Simplesmente brilhante.
    Cumprimentos.

    (... e desculpe a extensão do comentário...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Seria interessante comentar que o sucesso na vigência da dupla Jesus/Vieira só foi conseguido há 2 anos, com a coincidência de três circunstâncias especiais:
      a) um ano particularmente mau, em fim de ciclo, do FCP;
      b) em mais de metade dos jogos o Benfica jogou contra 10; as expulsões eram no máximo até aos 15 minutos de jogo;
      c) em muitos jogos (mais do que os que era suposto ser) o melhor jogador de cada um dos rivais foi impedido de jogar.

      Por isso, mais do que a saída do Ramirez, a grande perda do Benfica foi a saida do Ricardo Costa do Conselho de Disciplina da Liga.

      Eliminar
  34. Lúcido... o amigo Dias Pereira relei-a o que escreveu, sobre o modo culpabilizável JJ... precisamos de uma mudança... sobre JJ não falo de tácticas suicidas... falo de:
    César Peixoto, Roberto, Emerson, Urreta, Amorim, Perez, David Simão... Emerson, Gaitan, Nolito (joga de vez em quando), Emerson, [só um lateral direito]... ora porra... venha outro... CHEGA!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem direito à sua opinião, obviamente. Além do seu direito, eu respeito por inteiro essa opinião.
      No entanto, na minha opinião, e apesar de alguns erros de casting e umas quantas teimosias incompreensíveis, JJ é um bom treinador, conhecedor do futebol tuga, com um estilo de jogo muito próprio e alguma perspicácia.
      Olhando para trás (e, na verdade, também para a frente e para os lados...), não vejo qualquer mais valia em substituir o treinador.
      Dá-lhe algum feed-back a história recente dos nossos (Aghh!!!) vizinhos da 2ª Circular?...
      Cumprimentos.

      Eliminar
    2. Na boa aceitemos diferentes visões... a minha paixão ás vezes dá a entender uma certa falta de cultura democrática... mas é irreal... eu respeito!!!!!

      Eliminar
  35. Obrigado. Sinto, cada vez mais, que o Benfica não está só.

    ResponderEliminar
  36. Fantástico texto. A minha vênia ao autor. A partilhar!

    ResponderEliminar
  37. Nem sequer votei neste presidente mas é por demais injusto imputar-lhe todas as responsabilidades. Da mesma forma com Jorge Jesus. Entendo o desânimo e a frustração mas tentemos ser sensatos nas análises, justos e para tal há que ter memória e não torná-la tão curta como a de um peixinho dourado.
    Poucos troféus? Certo, poucos, todos queremos ganhar e sempre, embora isso seja impossível até para o Barcelona. Mas estivemos sempre lá, lutámos sempre até ao fim. Ah e tal mas "quase" não chega. Pois não chega mas ainda assim prefiro lutar até Abril ou Maio do que cair antes do Natal, do que ter jogadores fraquinhos e um futebol à la Olhanense.
    Com este treinador existe um projecto, com ele o os bons jogadores que temos tido voltámos a jogar bom futebol, cativante, poderoso e reconhecido por todos. Voltámos a ter o Benfica na Europa. E há quanto tempo assim não era? Desde os anos 80 ou algumas excepções como no início dos anos 90. E como se conseguiram contratar estes jogadores que todos admiramos? O Aimar, o Saviola, o Garay por exemplo? Talvez exista mérito da direção ou não? Claro que ficaram pelo caminho outros nomes que até foram reforçar o Porto.
    E os jogadores que potenciámos, valorizámos e jogam agora em giagnates da Europa? Também não conta? E a formação? Agora lutamos pelos campeonatos, ganhamos, estamos lá graças a um projecto, a um centro de estágio.
    Volto a dizer que não elegi esta direção, votei em branco até, mas reconheço que muito tem sido feito e não só no futebol. Pronto, agora talvez alguns de vós venham reclamar que não ganhámos nada nas modalidades! Ganhamos sim e nunca no passado recente como agora tivemos equipas tão competitivas e que têm vencido títulos sim.
    A análise tem de ser feita na globalidade e como diz Jesus somando todas as partes, pesando prós e contras.
    Não sei se alguma vez votarei em Vieira mas sei que se fosse possível votaria neste treinador para continuar e sei que o que não quero é nova cambada de gente interessada em promover-se, que venha agora com promessas vãs e tenhamos que recomeçar e voltar và dança de jogadores e treinadores com os resultados por demais conhecidos.
    Viva o Benfica sempre
    sócia nº8107

    ResponderEliminar
  38. Adoro o estilo, sofro com a temática. E sobre essa acho que o texto é na mouche.

    ResponderEliminar
  39. Obrigado a todos, fico contente por terem gostado.
    Sim, foi uma homenagem ao Chandler e aos policiais noir que sempre adorei e continuo a adorar ler. (e ao Tracer Bullet, o alter - ego noir do Calvin).
    Fico mesmo contente por terem gostado. Um abraço a todos.

    ResponderEliminar
  40. Os meus sinceros parabens pelo texto, muito bom mesmo uma realidade escrita quase na perfeição!!! È pena o nosso futebol estar assim entregue a mafiosos e gente mal intencionada... Saudações Leoninas

    ResponderEliminar
  41. Como já venho um pouco atrasado só tenho a dizer que o texto está espectacular, bastante fuído o que indicia uma homenagem ao Chandler. No restante parece que o mito se junta á realidade.
    Muito bom!

    ResponderEliminar
  42. Muito bom mesmo... parabéns...

    ResponderEliminar
  43. FANTÁSTICO MESMO...
    Marta Baixinho

    ResponderEliminar
  44. O Miguel Sousa Tavares não escreveria melhor.......

    ResponderEliminar
  45. Romance perfeito... história de livro com contornos de sucesso a ser publicado!
    No entanto sou de opinião de alguns adeptos aqui expressa.. Considero o JJ um bom treinador, tem as suas manias das quais destaco Emerson e Roberto.. tem alguma falta de coragem em alguns jogos e não sabe mexer na equipa quando esta está em desvantagem (ao invés é perfeito quando estamos a golear os adversários)... basta assistir a todos os jogos no estádio da luz e ver isso mesmo!
    Mas meus caros, em 3 anos quanto dinheiro já esta dupla deu ao Benfica, em vendas de jogadores potencializados pelo JJ (Coentrão, Di Maria, David Luiz, Ramires, e outros que vão sair este ano), meias finais da liga europa, quartos da champions (eliminados por uma equipa que elimina o super barcelona), reconhecimento europeu... há quantos anos não assistiamos a isto? É um facto, gastou-se muito dinheiro, mas também houve algum retorno... enquanto noutras épocas que se gastava muito e não havia retorno nenhum..... São opiniões de adeptos que acima de tudo amam o seu Benfica, por isso à sua maneira querem o melhor!! Só acho que não há alternativas nomeadamente para a presidência... diguem o que disserem mas nos ultimos anos não tenho visto ninguém com capacidade para liderar o nosso Benfica!

    ResponderEliminar